segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

letra a, vamos começar

A idéia de fazer um documentário sobre o movimento operário de Perus veio de uma vaga lembrança que tive de uma peça que ajudei a produzir na escola, se não me engano, na oitava série. Minha professora de História, Lia, decidiu que para o último bimestre, ao invés de prova, nós faríamos uma encenação para os pais sobre a urbanização de São Paulo e o nascimento do movimento operário na região. Ela escolheu a peça "Bumba, meu queixada", do grupo de teatro União e Olho Vivo, desconhecido pra mim na época.



Então, os alunos da oitava série do Colégio Meninópolis encenaram o "Bumba, meu Queixada", que simboliza todo o movimento operário das décadas de 50, 60 e 70 no Brasil. É uma metáfora muito bem colocada. O texto foi escrito pelo diretor da Cia, Cesar Vieira.



Há na peça uma música, que tivemos que decorar para a encenação do colégio. Foi por causa dessa música que lembrei do tema.



Tem um porco do mato

Um porco selvagem

Que quando anda em bando

Vira turma da pesada

Seu nome é Queixada

Teve uma greve na cidade de Perus
Onde os operários, sabedores dos direitos

Assinaram em cruz


Foi uma briga feia
Durou dezena e meia

Uma briga danada

E os operários chamavam Queixada


Teve um dia que acordei com essa música na cabeça, lembrei de tudo, pesquisei e consultei algumas pessoas. Ninguém sabia do que se tratava a greve de Perus. Ninguém tinha ouvido falar desse movimento operário. O ineditismo me animou, todo mundo do grupo concordou com o tema e daí pra frente começamos nossas pesquisas.


No link a seguir tem uma análise da peça do União e Olho Vivo, em PDF, que pode ser bacana para pesquisa: http://www.horizontecientifico.propp.ufu.br/include/getdoc.php?id=430&article=153&mode=pdf.

Nathalia Pazini

Um comentário:

  1. não sei porque ficou desconfigurado assim. eu e o blog estamos em crise conjugais.

    nathalia

    ResponderExcluir